terça-feira, 23 de julho de 2013

Cnidários




Dentro deste filo estão os corais, as águas-vivas, anêmonas, caravelas e hidras. São animais aquáticos, vivendo quase todos em ambientes marinhos.

Os cnidários são diblásticos, apresentando apenas endoderme e ectoderme na fase embrionária, e possuem simetria radial.
Esses animais podem ser apresentar sob duas formas:

- Pólipos – com pouca mobilidade, esses seres possuem uma das extremidades apoiada em um substrato (como o fundo dos oceanos) e a outra livre, com os tentáculos voltados para cima. Um exemplo de pólipo é a anêmona.

- Medusas – locomovem-se lançando jatos de água através da contração do corpo, apresentando vida livre e tentáculos voltados para baixo. Um exemplo é a água-viva.

Durante seu ciclo de vida, alguns cnidários alteram essas duas formas.


A parede do corpo dos cnidários é formada pela epiderme – derivada da ectoderme – e pela gastroderme – derivada da endoderme –, havendo entre as duas um material gelatinoso, a mesogleia.
Há vários tipos de células nos cnidários. As células mioepiteliais, localizadas na epiderme, estão ligadas ao sistema nervoso e agem como músculos, contraindo o corpo do animal e sendo responsáveis pelo movimento e mudança de forma do corpo. Entre essas células, estão as células intersticiais, as quais têm função reprodutiva.

Na superfície dos cnidários, localizam-se os cnidócitos, células responsáveis pela defesa contra predadores e pela captura da presa. O nematocisto, cápsula que fica dentro do cnidócito, contém um filamento urticante que se desenrola quando a célula é tocada. No caso de presas, como pequenos peixes, crustáceos e vermes, a toxina injetada pelo filamento é capaz de paralisá-las e matá-las.


Em alguns cnidários, como os corais, a epiderme secreta um exoesqueleto de calcário e substâncias orgânicas. Já a água-viva, por exemplo, não possui esqueleto de sustentação.


Os cnidários apresentam uma cavidade gastrovascular ou celêntero, com função digestiva, porém têm um tubo digestório incompleto por não apresentarem abertura anal. Esses animais possuem digestão intra e extracelular, realizadas respectivamente pelas células digestivas e glandulares.
 
A circulação de oxigênio, gás carbônico, excretas e alimentos ocorre por difusão.

O sistema nervoso dos cnidários é difuso, pois não possui centro nervoso, e é formado por uma rede de células nervosas, responsáveis pela coordenação.

A reprodução assexuada dos cnidários pode ocorrer por brotamento ou estrobilização. No primeiro processo, surge um broto em uma região do corpo do cnidário; esse broto pode se soltar e ter uma vida independente ou continuar ligado, formando uma colônia. Na estrobilização, um estrangulamento divide transversalmente o animal, originando vários outros.

Na reprodução sexuada, ocorre a produção de gametas nas células intersticiais e após a fecundação, que é externa, surge do ovo uma larva, a plânula, que se transforma por metamorfose no adulto.

Em muitas espécies a reprodução sexuada e a assexuada alternam-se, havendo também alternância entra as formas pólipo (assexuada) e medusa (sexuada), sendo ambas diploides.

Alternância de gerações na Aurelia aurita, um cnidário marinho.

Há várias classes de cnidários. A classe Hidrozoa engloba pólipos e medusas tais como, respectivamente, a hidra e a caravela-portuguesa, a qual forma uma colônia permanente.

Hidra


A maioria dos seres da classe Scyphzoa da qual fazem parte, por exemplo, as águas-vivas são medusas.

Água-viva

Já a classe Anthozoa é representada principalmente por pólipos e engloba tanto seres de vida isolada, como a anêmona do mar, quanto seres que formam colônias, como os corais.

Anêmona-do-mar

Recife de corais

Fazem parte da classe Cubozoa medusas que possuem cnidócitos altamente tóxicos e cujo corpo tem formato aproximadamente cúbico.

Vespa-do-mar


Bibliografia e fontes das imagens


PAULINO, Wilson R. Biologia Atual, vol. 2: Seres Vivos, Fisiologia. São Paulo: Ed. Ática, 1997.

PAULINO, Wilson R. Biologia, vol. Único. São Paulo: Ed. Ática, 2011.

CRUZ, Daniel. Os Seres Vivos. São Paulo: Ed. Ática, 1998.

Imagem de cnidócito:
http://www.biorede.pt/resources/2580.jpg
Acesso em: 23 jul. 2013, às 20:14.

Imagem de hidra:
http://2.bp.blogspot.com/_uvWVvqxJ2Z0/TPPlCvJyZVI/AAAAAAAAATs/n025U_m6RkQ/s200/hidra.jpg
Acesso em: 23 jul. 2013, às 20:34.

Imagem de água-viva:
http://hypescience.com/uma-unica-agua-viva-pode-ter-queimado-100-pessoas/
Acesso em: 23 jul. 2013, às 20:36.

Imagem de anêmona-do-mar:
http://3.bp.blogspot.com/_F7VsRtnCZSo/TUahP-bAL1I/AAAAAAAAACg/qNR-OwNwCcc/s1600/Anemona_claudio.jpg
Acesso em: 23 jul. 2013, às 20:41.

Questões do livro de Biologia - Capítulo 7


Questões do livro “LINHARES, Sérgio e GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia hoje. São Paulo: Ática, 2010.”


Capítulo 7


Gimnospermas e angiospermas

 

Página 123


Compreendendo o texto


1. Quando observamos uma mangueira vistosa, carregada de frutos, estamos vendo um esporófito ou um gametófito? Onde está a outra fase da planta, que não pode ser observada nesse momento?

Estamos vendo um esporófito. O gametófito feminino e o masculino são respectivamente a oosfera, que se encontra dentro do ovário de uma flor que apresente gineceu, e o grão de pólen.

2. Depois de acompanhar o desenvolvimento de uma planta angiosperma e observar que o androceu amadurecia antes do gineceu, um estudante perguntou a seu colega se isso poderia representar vantagem evolutiva para a planta. O que você responderia a ele?

Sim, pois isso evita que a oosfera de uma flor seja fecundada por uma célula espermática produzida por essa mesma planta, o que diminuiria a variabilidade genética.

3. Plantas polinizadas pelo vento produzem, em geral, mais grãos de pólen do que plantas polinizadas por insetos. Isso significa que as primeiras produzem mais descendentes do que as últimas? Justifique sua resposta.

Não necessariamente, pois a polinização por insetos geralmente é mais efetiva do que aquela realizada pelo vento, visto que é mais provável um inseto polinizador pousar em mais de uma flor da mesma espécie, levando consigo grãos de pólen, do que o vento levar ao acaso os grãos de pólen a uma outra flor da mesma espécie.

4. A figura a seguir mostra estruturas que se desenvolvem no pinheirinho-bravo ou podocarpo, uma gimnosperma que pode ser encontrada no que restou da mata de Araucárias, no sul da América do Sul. Essas formas arredondadas (cerca de 1,5 cm de diâmetro) que aparecem na foto são os frutos da planta? Justifique sua resposta.



Essas estruturas não são os frutos da planta, pois as gimnospermas, embora não produzam sementes, não produzem frutos.

5. Em seu caderno, coloque em ordem cronológica os seguintes fenômenos de uma angiosperma: fecundação da oosfera, polinização, formação do fruto e da semente, crescimento do tubo polínico, formação do grão de pólen.

Formação do grão de pólen – polinização – crescimento do tubo polínico – fecundação da oosfera – formação do fruto e da semente.

Página 124


6. Se considerarmos apenas o aspecto reprodutivo, podemos afirmar que gimnospermas e angiospermas têm maior independência em relação à água do que briófitas e pteridófitas. Explique essa afirmação.

Isso ocorre pois, enquanto nas briófitas e pteridófitas há necessidade de água para que a fecundação ocorra, nas gimnospermas e angiospermas a fecundação independe da água, devido ao tubo polínico.

7. Observe a seguir a foto de uma abelha (cerca de 2 cm de comprimento).



a) O que pode ser o material amarelo aderido ao corpo do inseto? Explique.

Esse material pode ser o pólen, pois a abelha é um inseto polinizador que, ao pousar nas flores, leva consigo o pólen.

b) Por que a aplicação de inseticidas no campo pode prejudicar a reprodução de algumas plantas?

Pois, dependendo da espécie da planta, os insetos podem desempenhar um papel fundamental na polinização e consequentemente na reprodução da planta.

8. Alguns animais se alimentam dos frutos de algumas plantas, mas não conseguem digerir as sementes, que são eliminadas com as fezes. Em que sentido isso pode favorecer a planta?

Isso pode favorecer a planta pois, se o animal eliminar as fezes em um local distante da planta, ocorre a dispersão geográfica da espécie.

9. Na figura abaixo está representada a evolução das plantas terrestres a partir das algas verdes unicelulares, com a indicação das novidades evolutivas de cada grupo.



a) Identifique os grupos representados pelos números de 1 a 4.

O número 1 representa as briófitas, e o número 4, as angiospermas.

b) Em quais desses grupos ocorre fecundação e formação de um zigoto?

A fecundação e formação de um zigoto ocorrem em todos esses grupos.

c) Em quais desses grupos pode ocorrer polinização pelo vento? Justifique sua resposta.

A polinização pelo vento pode ocorrer nos grupos 3 e 4, pois apenas esses grupos formam o grão de pólen.

d) Em quais desses grupos a fase de gametófito é dominante sobre a fase de esporófito?

Apenas no grupo 1.

e) Em apenas um desses grupos forma-se um tecido triploide que serve de reserva nutritiva para o embrião. Qual é esse grupo?

O grupo 4.

Refletindo e concluindo


1. (Vunesp) Um estudante recebeu nove cartões, cada um apresentando uma característica ou o nome de uma estrutura presente em diferentes grupos de plantas.



Sua tarefa era formar dois grupos de três cartões, de modo que no grupo I fossem incluídos apenas cartões com características ou estruturas encontradas em briófitas e, no grupo II, apenas cartões com características ou estruturas encontradas em angiospermas. Assinale a alternativa que, no quadro, apresenta possibilidades de formar corretamente os grupos I e II.

Resposta: Alternativa e

2. (Fuvest-SP) O ciclo de vida de uma planta de feijão pode ser representado pelo esquema a seguir:



Um conjunto haploide de genes é encontrado em células do:

a) embrião que se forma a partir de 4.
b) endosperma que se forma em 1.
c) endosperma que se forma em 5.
d) tubo polínico que se forma em 2.
e) tubo polínico que se forma em 5.

Resposta: Alternativa d

Página 125


3. (Uece) O  diagrama  mostra  as  relações  evolutivas  entre  as algas e os demais grupos de plantas.



Cada número  indica uma  característica  compartilhada apenas  pelos  ramos  referentes  aos  níveis  superiores. Dessa  forma,  os  números  2,  3  e  4  representam, respectivamente:

a) semente, tecidos condutores, flor.
b) tecidos condutores, fruto, flor.
c) tecidos condutores, semente, fruto.
d) semente, fruto, flor.

Resposta: Alternativa c

4. (Uneb-BA) Considere as estruturas: I. grãos de pólen; II. óvulos; III. sementes; IV. frutos. As estruturas que estão presentes tanto no pinheiro quanto no coqueiro são:

a) apenas I, II e III.
b) apenas I, II e IV.
c) apenas I, III e IV.
d) apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV.

Resposta: Alternativa a

5. (UnB-DF/PAS; modificada) As sociedades industriais utilizam energia obtida a partir de combustíveis fósseis. Entre eles, um dos mais importantes é o carvão orgânico (forma alotrópica do carbono), que se formou a partir de restos de plantas antigas, particularmente das que viveram há aproximadamente 300 milhões de anos. Cinco grupos principais de plantas contribuíram para a formação do carvão: os licopídeos, os equissetos, as samambaias, as pteridospermas, já extintas, e as gimnospermas primitivas.

A partir das informações contidas no texto, julgue os itens a seguir.

1. As pteridófitas citadas no texto tiveram importância na formação dos grandes depósitos de carvão, pois eram de grande porte e formavam extensas florestas em diversas regiões da Terra.
2. Os vegetais a que o texto se refere apresentavam vasos condutores.
3. As gimnospermas, ao contrário das pteridófitas, necessitam de grandes quantidades de água na forma líquida para sua reprodução.
4. Nas pteridófitas, o encontro dos gametas masculino e feminino ocorre na flor.

Resposta: V, V, F, F.

6. (UFSC) Há mais de 250 milhões de anos, as gimnospermas, originadas das pteridófitas, dominaram as paisagens terrestres durante o Triássico e o Jurássico, juntamente com os dinossauros. Hoje, esse grupo vegetal está restrito a alguns locais da Terra, conhecidos como florestas de coníferas, como as ainda existentes no sul do Brasil.

Com relação a esse grupo de plantas, é correto afirmar que:

01. sua madeira é utilizada na indústria de papel e celulose, na indústria de móveis e na construção de casas.
02. algumas espécies têm caráter ornamental, como os ciprestes e os populares pinheiros de Natal.
04. no Brasil, é comum o consumo do pinhão como alimento, que é a semente do pinheiro-do-paraná.
08. suas plantas produzem sementes nuas, ou seja, não há a formação de frutos.
16. são plantas avasculares, com flores perfeitas.
32. todas as espécies do grupo são dioicas.


Resposta: 15 (01 + 02+ 04 + 08).

7. (Vunesp) Flores hermafroditas de uma determinada espécie de planta foram polinizadas manualmente, sendo que, em algumas, o pólen depositado sobre os estigmas era proveniente de anteras das mesmas flores (grupo A). Em outras, o pólen depositado sobre os estigmas era proveniente de anteras de outras flores da mesma espécie (grupo B). A figura apresenta os resultados obtidos a partir dessas polinizações.



Tendo o gráfico como referência, pode-se afirmar que:

a) essa espécie de planta apresenta algum tipo de mecanismo que impede a autofecundação.
b) esta espécie de planta apresenta algum tipo de mecanismo que impede a fecundação cruzada.
c) nessa espécie de planta, a fecundação cruzada garante maior sucesso reprodutivo.
d) nessa espécie de planta, o androceu amadurece antes que o gineceu.
e) nessa espécie de planta, o gineceu amadurece antes que o androceu.

Resposta: Alternativa c

Página 126


8. (UCS-RS) Quando um fruto apresenta 12 sementes, pode-se afirmar que:

a) 4 grãos de pólen germinaram, fecundando sinérgides, antípodas e oosferas.
b) 12 grãos de pólen formaram tubos polínicos.
c) 6 grãos de pólen formaram tubos polínicos, cada um com 2 núcleos capazes de fecundar oosferas.
d) 4 grãos de pólen formaram tubos polínicos, cada um com 3 núcleos capazes de fecundar oosferas.
e) 1 grão de pólen desenvolveu-se, formando vários tubos polínicos.

Resposta: Alternativa b

9. (Mack-SP) Considere uma espécie vegetal pertencente ao grupo das angiospermas que possui células com 2n = 36 cromossomos. Nessa espécie, o endosperma, a oosfera e o zigoto formado após a fecundação apresentam, respectivamente:

a) 18, 36 e 54 cromossomos.
b) 36, 18 e 54 cromossomos.
c) 54, 36 e 18 cromossomos.
d) 18, 54 e 36 cromossomos.
e) 54, 18 e 36 cromossomos.

Resposta: Alternativa e

10. (Vunesp) Considere, no esquema a seguir, as características de determinados grupos vegetais.



Assinale a alternativa cujos grupos vegetais estão representados, respectivamente, pelos algarismos I, II, III e IV.

a) Briófitas, gimnospermas, angiospermas e pteridófitas.
b) Pteridófitas, gimnospermas, angiospermas e briófitas.
c) Briófitas, angiospermas, gimnospermas e pteridófitas.
d) Pteridófitas, angiospermas, gimnospermas e briófitas.
e) Briófitas, gimnospermas, pteridófitas e angiospermas.

Resposta: Alternativa c

Questões para análise


1. (Unicamp-SP) Os grãos de pólen e os esporos das plantas vasculares sem sementes variam consideravelmente em forma e tamanho, o que permite que um grande número de famílias, gêneros e muitas espécies possam ser identificados através dessas estruturas. Os grãos de pólen e os esporos das plantas vasculares sem sementes permanecem inalterados em registros fósseis, em virtude do revestimento externo duro e altamente resistente, o que possibilita inferências valiosas sobre floras já extintas.

a) Suponha que em um determinado local tenham sido encontrados apenas grãos de pólen fósseis. A vegetação desse local pode ter sido formada por musgos, samambaias, pinheiros e ipês? Justifique sua resposta.

A vegetação deste local não pode ter sido formada pelos grupos citados, pois os  musgos e samambaias são respectivamente briófitas e pteridófitas, que não produzem grãos de pólen.

b) Esporos de plantas vasculares sem sementes e grãos de pólen maduros, quando germinam, resultam em estruturas diferentes. Quais são essas estruturas?

Esporos de plantas vasculares sem sementes, ao germinarem, dão origem ao prótalo, enquanto os grãos de pólen maduros, ao germinarem, resultam no microgametófito.

2. (Unicamp-SP) Um estudante de Biologia, desejando obter gametófitos para demonstração em uma feira de ciências, seguiu três procedimentos distintos:

I. Coletou soros nas folhas de uma samambaia, esmagou-os e deixou-os em xaxim constantemente umedecido por vários dias.

II. Colocou grãos de pólen em solução açucarada e esperou algumas horas até que germinassem.

III. Colocou sementes de feijão em algodão embebido em água, tendo o cuidado de manter a preparação em local bem iluminado.

a) O que são gametófitos?

Gametófitos, que produzem gametas, são a fase haploide das plantas.

b) É possível obtê-los nas três condições descritas? Explique.

Não, pois, enquanto nas situações I e II será obtido um gametófito, na situação III será obtido um esporófito.

3. (Fuvest-SP) O termo óvulo é usado tanto em Zoologia como em Botânica, porém com significados diferentes. Compare o óvulo de um vertebrado com o de uma angiosperma quanto à organização, à ploidia e ao desenvolvimento.

 O óvulo de um vertebrado (que representa o gameta) é formado de uma célula haploide, envolta por milhares de células menores, e se desenvolve a partir a partir da meiose do ovócito primário, que dá origem a quatro células, três das quais morrem em seguida.
O óvulo das angiospermas é composto pelo tegumento diploide que envolve o saco embrionário (o gametófito das angiospermas), o qual contém a oosfera haploide (o gameta das angiospermas) e outras sete células haploides. O óvulo referido pela Botânica se desenvolve a partir da germinação do megásporo, o qual se originou do esporângio.

4. (Fuvest-SP) O que leva o homem a cultivar certas variedades de plantas é, em muitos casos, a beleza de suas flores e, em outros, o sabor de seus frutos. Para as plantas, a ocorrência de flores atrativas e frutos comestíveis tem algum significado adaptativo? Qual?

Sim, pois as flores atrativas chamam a atenção dos animais polinizadores, facilitando a dispersão de seus grãos de pólen e consequentemente sua reprodução sexuada, enquanto os frutos comestíveis protegem a semente e possibilitam a dispersão dessa, que pode ser eliminada por um animal ao defecar após ter comido o fruto.

5. (Vunesp) Observe o ciclo reprodutivo do pinheiro:



a) Em que estágios desse ciclo ocorre redução do número de cromossomos?

A redução do número de cromossomos ocorre na produção do grão de pólen e do óvulo.

b) Indique as estruturas citadas no ciclo que correspondem às palavras destacadas na seguinte estrofe popular:

Pinheiro me dá uma pinha
Pinha me dá um pinhão
Menina me dá um beijo
Que eu te dou meu coração.

A pinha é o estróbilo feminino e o pinhão é a semente.

Página 127


6. (Vunesp) A variedade laranja-da-baía, também conhecida como “laranja-de-umbigo”, não possui semente.

a) Como se dá a propagação dessa variedade?

A propagação dessa variedade ocorre vegetativamente.

b) Qual a vantagem da utilização desse tipo de propagação em relação à floração e à frutificação?

A utilização desse tipo de propagação tem como vantagem o fato de ser possível produzir vários seres que contenham uma mutação vantajosa de um determinado organismo a qual não possa ser repassada através da reprodução sexuada.

7. (UFSC) Sobre flores, responda:

a) As flores coloridas das angiospermas são interpretadas como uma aquisição evolutiva que aumenta a eficiência da reprodução sexuada. De que modo isso ocorre?

As flores coloridas representam uma aquisição evolutiva pois atraem animais polinizadores.

b) Que fator ambiental contribui para a reprodução sexuada de flores não coloridas, como as do capim?

O fator ambiental que contribui para a reprodução sexuada de flores não coloridas, como as do capim, é o vento, pois este é responsável pela dispersão dos grãos de pólen.

8. (Vunesp) A figura mostra a variação observada na proporção de massa (em relação à massa total) do embrião e do endosperma de uma semente após a semeadura.



Sabendo que a germinação (G) ocorreu no quinto dia após a semeadura:

a) Identifique, entre as curvas 1 e 2, aquela que deve corresponder à variação na proporção de massa do embrião e aquela que deve corresponder à variação na proporção de massa do endosperma. Justifique sua resposta.

A curva que deve corresponder à variação de proporção da massa do embrião deve ser a 1, pois após a germinação aumenta devido ao crescimento da planta, e a curva que deve corresponder à variação na proporção de massa do endosperma deve ser a 2, pois após a germinação sua proporção diminui pois é consumida pela planta.

b) Copie a figura e trace nela uma linha que mostre a tendência da variação na quantidade de água da semente, desde a semeadura até a germinação.



Exame Nacional do Ensino Médio – Enem


Caso os cientistas descobrissem alguma substância que impedisse a reprodução de todos os insetos, certamente nos livraríamos de várias doenças em que esses animais são vetores. Em compensação teríamos grandes problemas, como a diminuição drástica de plantas que dependem dos insetos para polinização, que é o caso das:

a) algas.
b) briófitas, como os musgos.
c) pteridófitas, como as samambaias.
d) gimnospermas, como os pinheiros.
e) angiospermas, como as árvores frutíferas.

Resposta: Alternativa e

Questões do livro de Biologia - Capítulo 6


Questões do livro “LINHARES, Sérgio e GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia hoje. São Paulo: Ática, 2010.”


Capítulo 6


Briófitas e pteridófitas


Página 104


Compreendendo o texto


1. Um estudante afirmou que as briófitas não se libertaram completamente da água. Com base nos conhecimentos adquiridos neste capítulo, justifique a afirmação do estudante.

O estudante provavelmente se referiu ao fato de que as briófitas dependem da água para que ocorre a fecundação por parte do anterozóide, que possui flagelos e nada até a oosfera.

2. Que estrutura presente no corpo das pteridófitas permitiu às espécies do grupo atingirem, em geral, maiores alturas do que as briófitas?

Os vasos condutores de seiva, pois o transporte de substâncias entre as células, nas briófitas, era realizado por difusão, processo muito lento.

3. O esquema a seguir ilustra o ciclo reprodutivo de dois grupos de plantas: briófitas e pteridófitas. Examine-o e responda às questões.


a) Que células estão representadas pelas letras a, b e c? Quais dessas células são haploides (n) e que informações lhe permitiram chegar a essa conclusão?

Estão representadas pelas letras a, b e c, respectivamente, um gameta (que pode ser a oosfera ou o anterozóide), o zigoto e um esporo. Dentre essas células, as haploides são o gameta o esporo, pois, no ciclo reprodutivo das briófitas e pteridófitas, a meiose ocorre na produção de esporos, logo, como na meiose, uma célula 2n dá origem a quatro células n, o esporo é haploide. Como germina a partir de mitoses (nas quais o número cromossômico se mantém), produz um indivíduo haploide. Os gametas produzidos por esse indivíduo por mitoses serão também haploides, e o zigoto produzido pela fecundação de dois gametas, diploide.

b) No que diz respeito à função, que diferenças existem entre os tipos de células haploides do esquema?

Enquanto o esporo tem como função germinar e dar origem a um indivíduo haploide gametófito (ou seja, produtor de gametas), a função dos gametas é que ocorra a fecundação de dois deles, de sexos opostos, formando um zigoto 2n que se dividirá por mitoses formando um indivíduo diploide esporófito (ou seja, que produzirá esporos). Logo, a função do esporo e dos gametas é, respectivamente, realizar a reprodução assexuada e sexuada.

c) Qual dos dois indivíduos do esquema é haplóide? Que informações lhe permitiram chegar a essa conclusão?

O indivíduo 2, pois, como ocorre a fecundação a partir das células por ele originadas, ele produz gametas, logo é um gametófito, e, no ciclo reprodutivo das briófitas e pteridófitas, o gametófito é haploide.

d) O gametófito das pteridófitas é bem menor que o esporófito. Por que o tamanho reduzido do gametófito facilita a reprodução dessas plantas?

Pois um menor tamanho do gametófito faz com que seja mais fácil que o anterozoide nade até uma oosfera do mesmo prótalo (gametófito das pteridófitas) ou de um prótalo vizinho (cujas oosferas podem estar mais próximas do que as oosferas do mesmo prótalo do anterozoide devido ao menor tamanho do prótalo, o que também é uma vantagem, pois facilita o aumento da variabilidade genética) no caso de eles estarem cobertos por uma pequena quantidade de água, o que também se torna mais fácil devido ao reduzido tamanho do prótalo.

4. Em geral, os animais têm corpos compactos, o que facilita seu deslocamento. Já as plantas apresentam corpos com grande superfície relativa. Explique por que podemos dizer que tais formas corporais representam adaptação ao tipo de nutrição desses organismos.

Como as plantas geralmente realizam fotossíntese, uma maior superfície corporal faz com que a área externa que recebe luz seja maior, em logo, a fotossíntese, que precisa de luz para ocorrer, seja mais eficiente.

Refletindo e concluindo


1. (Fuvest-SP) Um pesquisador que deseje estudar a divisão meiótica em samambaia deve utilizar em suas preparações microscópicas células de:

a) embrião recém-formado.
b) rizoma da samambaia.
c) soros da samambaia.
d) rizoides do prótalo.
e) estruturas reprodutivas do prótalo.

Resposta: Alternativa c

2. (Unifor-CE) A figura ao lado mostra um musgo. Sobre ela fizeram-se as seguintes afirmações:


I. X resultou do zigoto e vive à custa de Y.
II. Y é o gametófito feminino e, nos musgos, o gametófito representa a fase duradoura do ciclo de vida.
III. X e Y são, respectivamente, haploide e diploide.

É correto o que se afirma apenas em:

a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

Resposta: Alternativa e

3. (PUC-SP) Nos esquemas A e B representados a seguir, encontram-se, respectivamente, as gerações do ciclo de vida de uma briófita (musgo) e de uma pteridófita (samambaia).



Pode-se afirmar corretamente que:
a) I e III são gerações diploides.
b) II e III são gerações haploides.
c) I e III são gerações produtoras de gametas.
d) II e IV são gerações produtoras de gametas.
e) I e IV são gerações produtoras de esporos.

Resposta: Alternativa c

4. (UFV-MG) A figura adiante corresponde a duas plantas com parte de suas estruturas morfológicas e reprodutivas indicadas por I, II, III e IV.



Observe a representação e assinale a afirmativa correta.

a) As duas plantas são vascularizadas e apresentam folhas clorofiladas.
b) A estrutura indicada por I é diploide e corresponde ao prótalo.
c) III corresponde a soros 2n que produzem os esporos nas pteridófitas.
d) II indica os anterozoides haploides produzidos pelo esporângio.
e) As estruturas indicadas por IV são gametófitos haploides.

Resposta: Alternativa c

Página 105


5. (Vunesp) A uma pessoa que comprasse um vaso de samambaia em uma floricultura e pretendesse devolvê-lo por ter verificado a presença de pequenas estruturas escuras, dispostas regularmente na face inferior das folhas, você diria que:

a) a planta, com certeza, estava sendo parasitada por um fungo.
b) a planta necessitava de adubação, por mostrar sinais de deficiências nutricionais.
c) a planta tinha sido atacada por insetos.
d) as pequenas estruturas eram esporângios reunidos em soros, os quais aparecem normalmente durante o ciclo da planta.
e) a planta se encontrava com deficiências de umidade, mostrando manchas necróticas nas folhas.

Resposta: Alternativa d

6. (Ufscar-SP) Considere as seguintes características:

I. presença de tecidos de condução;
II. presença de raízes verdadeiras;
III. dependência da água para a fecundação;
IV. fase esporofítica predominante.

Uma briófita e uma pteridófita apresentam em comum apenas:

a) IV.
b) III.
c) I e II.
d) II e III.
e) I, II e IV.

Resposta: Alternativa b

7. (Fuvest-SP) O xaxim é um produto muito usado na fabricação de vasos e suportes para plantas. A sua utilização:

a) aumenta o risco de extinção de certas samambaias, a partir das quais é produzido.
b) não acarreta nenhum impacto ambiental, pois é produzido a partir da compactação de folhas de certas palmeiras.
c) aumenta o risco de extinção de certas gramíneas, a partir das quais é produzido.
d) não acarreta nenhum impacto ambiental, pois é produzido a partir de raízes de plantas aquáticas secas.
e) provoca a extinção de certas palmeiras, a partir das quais é produzido.

Resposta: Alternativa a

Questões para análise


1. (Fuvest-SP) As células do gametófito de uma briófita de ciclo normal têm 30 cromossomos. Quantos cromossomos serão encontrados no esporo, na haste, na cápsula e no anterozoide?

Respectivamente 30, 60, 60 e 30 cromossomos.

2. (Ufscar-SP) Muitas das características que surgiram ao longo da história evolutiva das plantas permitiram a conquista do ambiente terrestre. Considere os musgos e as samambaias e:

a) cite uma característica compartilhada por esses dois grupos que torna essas plantas dependentes da água para a fertilização.

Em ambos os grupos os anterozóides são flagelados e o único modo que têm de chegarem à oosfera é nadando, logo sendo a planta dependente de água para a fertilização.

b) compare os dois grupos com relação à presença de um sistema vascular para transporte de água e nutrientes.

Enquanto as briófitas não apresentam tecidos e, consequentemente, não apresentam sistema vascular para transporte de água e nutrientes, as pteridófitas apresentam tal sistema de vasos condutores.

3. (Unicamp-SP) A mata Atlântica é um ambiente bastante úmido. Nesse ambiente, é comum encontrar diversos tipos de plantas verdes, de pequeno porte (alguns centímetros), crescendo sobre troncos e ramos de árvores, bem como recobrindo certas áreas na superfície do solo. A reprodução destas plantas não ocorre por meio de flores, mas no seu ciclo há gametas envolvidos.

a) Que plantas são essas?

Essas plantas são briófitas.

b) Qual o fator que delimita o seu tamanho?

O fator que delimita seu tamanho é a ausência de vasos condutores.

c) Qual é a fase transitória do seu ciclo reprodutivo?

A fase transitória do seu ciclo reprodutivo é o esporófito.

4. (Fuvest-SP) Em um filme de ficção científica havia musgos gigantes, do tamanho de coqueiros. Qual sistema, ausente nos musgos reais, deveria estar presente nos gigantes para que eles atingissem tal tamanho? Por quê?

O sistema de transporte, pois é composto pelos vasos condutores, que tornam mais rápido o transporte de substâncias na planta e formam tecidos resistentes que também servem de sustentação, permitindo que a planta atinja maior altura do que as que apresentam transporte de substâncias por difusão, o qual é muito lento.

5. (Fuvest-SP) O esquema representa o ciclo de vida da samambaia. A letra A representa a célula haploide, que faz a transição da fase esporofítica para a fase gametofítica; a letra B representa a célula diploide, que faz a transição da fase gametofítica para a fase esporofítica.



a) Descreva resumidamente a aparência das plantas que representam a fase esporofítica e a fase gametofítica.

A fase esporofítica é a planta completa que apresenta raiz, caule (geralmente subterrâneo) e folhas (em geral composta por folíolos que, quando férteis, têm soros em sua face ventral). Já a fase gametofítica ou prótalo é uma pequena lâmina verde com rizoides, hermafrodita, que apresenta arquegônios e anterídios, órgãos produtores de gametas.

b) Quais são os nomes das células representadas pelas letras A e B?

As células A e B são respectivamente o esporo e o zigoto.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Tecidos vegetais


Tecidos Vegetais


Meristema


O meristema é formado por grupos de células não diferenciadas que colaboram para o crescimento da planta, pois, como conservam características embrionárias, têm grande capacidade de se dividir, se diferenciar e originar outros tecidos. É composto pelo meristema primário (o qual forma vários tecidos da planta e se localiza na ponta do caule e das raízes) e pelo secundário (responsável pelo crescimento da planta em espessura e que se localiza no interior do caule da raiz).
O meristema primário inclui a protoderme, o procâmbio e o meristema fundamental. A protoderme (que fica próxima à superfície) origina a epiderme, a qual revestirá o vegetal, protegendo-o. O procâmbio diferencia-se nos tecidos condutores de seiva, localizando-se no interior do meristema primário. O meristema fundamental produz os demais tecidos da planta (responsáveis pela sustentação, fotossíntese e armazenamento de substâncias, entre outros) e se localiza entre o procâmbio e a protoderme.
O meristema secundário engloba o felogênio e o câmbio. O felogênio, localizado na parte mais externa do caule e da raiz, forma células de preenchimento, reserva e proteção. O câmbio se localiza mais internamente no caule e na raiz e forma o tecido dos vasos condutores, o floema e o xilema.

Revestimento e Proteção


Esses tecidos revestem os vegetais, fornecendo proteção e, nas plantas terrestres, evitando a perda excessiva de água. Esses tecidos se localizam na superfície da planta, sendo eles a epiderme e o súber. O súber, que é o revestimento mais externo da planta, está presente nas partes mais antigas do vegetal e se origina do felogênio. O súber protege contra a evaporação e atua como isolante térmico. A epiderme, originada da protoderme, protege as folhas e as partes jovens do caule e da raiz das plantas lenhosas e todo o corpo das herbáceas. É formada por uma camada de células vivas sem clorofila, se localizando na superfície da planta. Além da função de proteção da superfície, pode formar acúleos (semelhantes a espinhos, com função de defesa) e emitir pelos ou tricomas com funções variadas.

Sustentação


Os tecidos de sustentação, o colênquima e o esclerênquima, dão resistência à planta e sustentam as diferentes partes dela. O colênquima fica na periferia do caule e da folha e tem como função sustentar a planta e, como tem grande flexibilidade, permite o crescimento dela. O esclerênquima é formado por fibras (mais abundantes na parte mais interior do caule e que ajudam na sustentação das plantas) e esclereides que sustentam e protegem o embrião da semente.

Condutores


Os tecidos condutores são constituídos por células cilíndricas que formam tubos ao longo do vegetal, que são uma adaptação à vida terrestre, pois ajudam o vegetal a repor rapidamente a água perdida por transpiração. Localizam-se no interior do caule e dos ramos da planta e dividem-se em xilema e floema. O floema, do qual fazem parte os vasos liberianos, tem como função transportar a seiva elaborada da parte aérea da planta para o resto dela. O xilema é o conjunto dos vasos lenhosos com o parênquima e esclerênquima a eles associado. Os vasos lenhosos, que ficam mais ao interior do que os liberianos, transportam a seiva bruta ou mineral da raiz para as folhas.

Secretores


Os tecidos secretores têm várias funções, sendo uma delas atrair os insetos e as aves responsáveis pelo transporte do grão de pólen, através da produção de néctar. Como secretam substâncias para o meio externo, se localizam próximo à epiderme.

Assimilação e Reserva


Têm como função realizar a fotossíntese e armazenar substâncias. São formados pelo parênquima de assimilação e o de reserva. O parênquima de reserva do amido é encontrado nas raízes, nas folhas, nos caules e nas frutas. O parênquima de assimilação (clorofiliano) se localiza nas partes aéreas dos vegetais, principalmente nas folhas.

Bibliografia


LINHARES, Sérgio e GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia hoje. São Paulo: Ática, 2010.